sexta-feira, 26 de maio de 2017

PADRE DONIZETTI E O “PESADELO DOS ALTARES” E O QUADRO DO PONTÍFICE JOÃO XXIII.


“Senhor Arcebispo, tive um pesadelo terrível! Vi o demônio entrando na Catedral de São Sebastião (em Ribeirão Preto), com alguns padres consigo, e, todos munidos de picaretas nas mãos, se dirigiam até os Altares laterais da Catedral, gritando em altas vozes. Ao chegar diante do altar de Santo Antônio, a imagem do Santo Frade lisboeta olhou com autoridade ao demônio e seus sequazes, saindo todos em disparada.
Por Amor a Deus, Senhor Arcebispo, NÃO DEIXE QUE DERRUBEM OS ALTARES DA CATEDRAL !”
Dizem que, neste momento, o Arcebispo saltou da cadeira na qual estava sentado e disse ao Padre que aquilo seria apenas um sonho, um pesadelo, que nunca ninguém iria destruir os altares, sendo interrompido pelo “Taumaturgo de Tambaú”, que lhe disse:
“Não, não, Senhor Arcebispo! Nós não veremos esta desgraça! (Prevendo que ambos iriam para o Céu antes da desgraça conciliar.) Mas ela virá! Não é um sonho, tampouco um pesadelo! Infelizmente virá este dia! As trevas cairão sobre o mundo! Por isso, lhe imploro: NÃO DEIXE DESTRUIREM OS ALTARES !”
O Arcebispo, todo amável, como era sua característica pessoal, sorriu-lhe e lhe disse:
“Padre Donizetti, prometo que não deixarei que ninguém destrua os altares de nossa Catedral!”
Esse episódio ocorreu em 1960, antes, portanto, da convocação do Concílio Vaticano II, que Padre Donizetti não presenciou, uma vez que faleceu em 16 de junho de 1961.
O mais interessante é que este fato foi presenciado pelo Padre Agmar de Paula Marques, que, após o Concílio, quando quiseram “retirar” os altares da Catedral de São Sebastião, conseguiu impedir este intento e contou este fato a alguns Sacerdotes, entre os quais o Cônego Horácio Longo e o Padre Savério Brugnara.
O Arcebispo Dom Luiz do Amaral Mousinho também não presenciou estes tristes acontecimentos da “retirada” dos altares e das imagens sacras das igrejas, já que foi para o Céu em 24 de abril de 1962.
Contava o saudoso Cônego Horácio Longo que, ao observar a “retirada” de dois dos altares laterais da Matriz da Franca, hoje Catedral da Nossa Senhora da Conceição, lembrou-se do “pesadelo dos altares”, contado pelo amigo Padre Agmar, profetizado pelo “Taumaturgo de Tambaú”.
Ademais, contava o Padre Savério Bruganara que o Padre Donizetti ganhara um quadro do Papa João XXIII, em 1959, e que, diante da alegria de seus coroinhas, ao desempacotar a “fotografia do Doce Cristo na Terra”, o “Taumaturgo de Tambaú” sorriu e olhou demoradamente no rosto do Papa, dizendo para seus coroinhas: “Rezemos muito pelo Papa e pela Igreja!”.
Nesse ínterim, um dos coroinhas dirigiu-se até o quadro com a foto do grande Papa Pio XII, para retirá-lo e substituí-lo pelo quadro recém-chegado do novo Papa. Então, Padre Donizetti, com a autoridade de sempre (Diziam que ele era “um santo, porém, um santo bravo”), disse ao coroinha:
“Não! Deixe aí o quadro do Papa Pio XII, que é um Santo! Deixe aí, meu filho! Em breve vou me encontrar com ele!
Quanto ao quadro do novo Papa, deixem aí onde está!”
Segundo Padre Brugnara, o quadro do Papa João XIII foi colocado sobre uma cômoda, e o quadro de Pio XII continuou na parede, no lugar “principal” da sacristia.
Ainda segundo Padre Brugnara, o “Taumaturgo de Tambaú” sempre pedia aos outros Sacerdotes que rezassem muito, muito pela Igreja, que estava chegando um período de grandes provações para Ela.
PADRE DONIZETTI: ORA PRO NOBIS.

Fonte:  https://materecclesiauna.wordpress.com/2014/04/06/padre-donizetti-e-o-pesadelo-dos-altares-e-o-quadro-do-pontifice-joao-xxiii/

quinta-feira, 25 de maio de 2017

UM CATÓLICO PODE ABANDONAR, ‘SEGUNDO A SUA CONSCIÊNCIA’, A IGREJA CATÓLICA?

Igreja Matriz São João Batista - Caçapava SP 

DESTAQUE


Certamente que o estado presente do mundo e as técnicas de escravidão às ideologias reinantes e corruptoras da fé não facilitam a vida cristã. Mas, precisamente, é para este mundo que os cristãos foram empurrados pela Hierarquia e segundo o espírito do Vaticano II. Eles ficaram desarmados, abandonados, privados do ensinamento da doutrina católica, desfigurada por numerosos catecismos e pregações, face ao desencadeamento da heresia que encontrou muita cumplicidade aberta e oficial no seio da Igreja.

O personalismo [de Emmanuel Mounier], que desde há muito envenenou o pensamento católico, é a filosofia dos direitos do homem, da abertura para o mundo, da liberdade religiosa e do ecumenismo, a filosofia que arrastou o povo cristão a pensar e argumentar à margem da luz da fé católica e que, em retorno, solapa esta.


quarta-feira, 24 de maio de 2017

O desrespeito ao Papado por aqueles que pretendiam defendê-lo





Uma das graves consequências de se acreditar que um herege pode ser um verdadeiro papa é a atitude que se toma diante de seus atos que atentam contra a Igreja Católica. Os neoconservadores tentam desculpá-lo de tudo o que acontece de mal na Igreja e dizem que ele deve ser obedecido cegamente. Os tradicionalistas de linha média parecem salvar a doutrina católica ao dizer que o papa não deve ser obedecido quando ensina algo contrário ao depósito da fé. Mas na verdade não é isso o que acontece.
Em primeiro lugar, porque um Papa pode cometer pecado pessoal enquanto homem, mas não pode ensinar o erro como se fosse parte do magistério da Igreja. Depois, se fosse dado ao fiel decidir se o que o papa ensina é ou não correto, o critério imediato de fé não seria o Sagrado Magistério da Igreja, mas sim o próprio fiel. De maneira semelhante ao que os protestantes fazem com as Sagradas Escrituras, os de linha média fazem com o Magistério. Quem ainda não assistiu, recomendo que assista ao vídeo do Pe. Cekada intitulado “O papa dita, mas é VOCÊ quem decide!“.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Pequeno Catecismo - por São Francisco Xavier


Xavier chegou a Goa a 6 de Maio de 1542 e logo começou a ensinar a doutrina cristã. Este catecismo breve, de que se servia, é quase igual ao que em 1539–1540 publicou em Lisboa o célebre cronista da Índia, João de Barros. Como, porém, além das partes tomadas do de Barros, inclui outras novas acomodadas à Índia, é provável que o tenha composto logo ao chegar a Goa, a não ser que já na viagem o tenha feito. Na edição crítica da Monumenta Historica Societatis Iesu1que seguimos, pode ver-se em paralelo o texto de Barros e o de Xavier, onde ressaltam as inovações.
1. Senhor Deus, tende misericórdia de nós. Jesus Cristo, Filho de Deus, tende misericórdia de nós. Espírito Santo, tende misericórdia de nós.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

As almas do purgatório, não as esqueçais!


Os Terríveis Sofrimentos 
O que os Santos Doutores ensinam acerca dos sofrimentos do purgatório nos penetram de tema com paixão pelas almas.
S. Boaventura ensina que nossos maiores sofrimentos ficam muito aquém dos que ali se padecem. São Tomás diz que o menor dos seus sofrimentos ultrapassam os maiores tormentos que possamos suportar. Confirmam Santo Ambrósio e São João Crisóstomo que todos os tormentos que o furor dos perseguidores e dos demônios inventaram contra os mártires, jamais atingirão a intensidade dos que padecem em tal lugar de expiação.
O fogo! Estremecemos só de lhe ouvir o nome. E estar-se no fogo inteiramente, num fogo ativo, penetrante, que vai até o início do ser – que cruel suplício.

domingo, 21 de maio de 2017

MORTIFICAÇÃO DO OUVIDO E DA LÍNGUA.


''Esta mortificação exige que não se diga nem ouça nada contrário à caridade, à pureza, à humildade e às demais virtudes cristãs; porquanto, como diz S. Paulo, as conversas más corrompem os bons costumes (...). E quantas almas, na verdade, não têm sido pervertidas por terem escutado conversas desonestas ou contrárias à caridade? As palavras lúbricas excitam a curiosidade mórbida, revoltam as paixões, inflamam desejos e provocam ao pecado. As palavras pouco caritativas suscitam divisões até nas famílias, desconfianças, inimizades, rancores. É necessário, pois, velar sobre as mínimas palavras, para evitar tais escândalos, e saber fechar os ouvidos a tudo quanto possa perturbar a pureza, a caridade e a paz.''

Pe. Adolphe Tanquerey. ''Compêndio de Teologia Ascética e Mística''. Livraria Apostolado da Imprensa, Porto, 4ª Edição, 1948

sábado, 20 de maio de 2017

BERGOGLIO UTILIZA LOS RESURREXIFIXES QUE HAN SIDO CONDENADOS


En 1947, el Papa Pío XII condenó los crucifijos que muestran a Cristo Resucitado (llamados “Resurrexifixes”) , cruces que no muestra los sufrimientos de Cristo.
Pío XII, Encíclica Mediator Dei:
...
Así, por ejemplo, se sale del recto camino quien desea devolver al altar su forma antigua de mesa; quien desea excluir de los ornamentos litúrgicos el color negro; quien quiere eliminar de los templos las imágenes y estatuas sagradas; quien quiere hacer desaparecer en las imágenes del Redentor Crucificado los dolores acerbísimos que El ha sufrido.

Fonte: http://wwwapostoladoeucaristico.blogspot.com.br/2017/05/bergoglio-utiliza-los-resurrexifixes.html?m=1