terça-feira, 21 de março de 2017

A importância dos Beneditinos - Papa Pio XII


Com efeito, enquanto nessa escura e convulsionada época da história o cultivo da terra, o amor do trabalho e da arte, o estudo das ciências e das letras, tanto religiosas como profanas, eram lançados, por uma espécie de desdém geral e sintomático, ao abandono, dos mosteiros beneditinos sai uma plêiade luminosa de agricultores, de artistas, de sábios, que nos salvaram incólumes os monumentos da velha literatura, conciliaram os velhos e os novos povos, em guerras constantes, reduzindo-os da barbárie renascente, das correrias, do saque, à moderação da moral humana e cristã, à abnegação do trabalho, à luz da verdade; reconstituíram, enfim, uma civilização enformada nos princípios do Evangelho.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Esgotado o tempo da penitência, todo arrependimento será inútil


À entrada dos quarenta dias consagrados à penitência, a Igreja assume a voz severa dos profetas, para nos exortar à renovação na graça de Deus. Felizes as almas que respondem ao solene convite; pois aproxima-se a data em que a trombeta do arcanjo anunciará o fim das provações terrestres. Ter-se-á, então, esgotado o tempo da penitência, todo arrependimento será inútil. Façamos agora sem dilação o que, no último dia, desejaríamos ter feito. "Agora é a ocasião, propícia, diz o apóstolo, dias de graça e de salvação". Roguemos a Deus que em nós excite o arrependimento de nossas faltas e que nos conceda um coração contrito e humilde.

A penitência não consiste unicamente em abstinências e mortificações corporais; visa sobretudo o coração, a vontade e a conduta. Fazer penitência é afastar nosso amor de toda afeição viciosa, para amar puramente a Deus; é renunciar a todas as satisfações passageiras, para obedecer filialmente à vontade de Deus; é reformar as imperfeições de nossa conduta, para viver santamente segundo a lei de Deus; em suma, fazer penitência é trabalhar para a destruição do homem caduco, para auxiliar a ressurreição do homem novo. Mas o espírito de penitência não poderia reanimar os que julgam justos e virtuosos, mas tão somente àqueles que a título de pecadores, imploram a misericórdia do Senhor. Sirvamo-nos das palavras de Davi para pedir a Deus o espírito de penitência e se não podemos empregar austeridades voluntárias para nos castigarmos, ao menos aceitemos de bom grado as aflições, trabalhos, acidentes e sacrifícios que a Providência nos impõe.

Migalhas evangélicas, pelo Pe. Teodoro Ratisbonne, editora Vozes, 1941

quarta-feira, 8 de março de 2017

Verdades que o cristão deve recordar diariamente


VERDADES DE QUE O CRISTÃO SE DEVE RECORDAR TODAS AS MANHÃS

Cristão, lembra-te que tens hoje:
Deus a glorificar,
Jesus a imitar,
A Santíssima Virgem a invocar,
Os Santos a imitar,
Os Santos Anjos a honrar,
Uma alma a salvar,
Um corpo a mortificar,
Virtudes a pedir e praticar,
Pecados a expiar,
Um paraíso a ganhar,
Um inferno a evitar,
Uma eternidade a meditar,
Tempo a aproveitar,
Próximo a edificar,
Um mundo a temer,
Demônios a combater,
Paixões a subjugar,
Talvez a morte a sofrer,
E o juízo a suportar!

OH! ETERNIDADE!

Retirado de «Manual de Orações», aprovado pelo Arcebispo de Porto Alegre, 10 de Novembro de 1926.

Fonte:http://accao-integral.blogspot.com.br 

quarta-feira, 1 de março de 2017

Quaresma, Jejum, Esmola e Oração

JEJUM, ESMOLA E ORAÇÃO
A Quaresma são os quarenta dias, da Quarta-Feira de Cinzas ao Domingo de Páscoa, em que jejuam os cristãos, exceto nos domingos.

 Afirmam os santos padres (como se pode ver em Cornélio a Lapide, Bellarmino, etc.) que foi a Quaresma instituição dos Apóstolos, para honrarmos e imitarmos o jejum de Cristo Nosso Senhor, satisfazermos à Justiça divina, e assim preparar-nos à digna celebração da Páscoa.

 Nesse tempo sagrado, substituindo a Igreja o luto às profanas alegrias, bradando a Deus a implorar o seu auxilio, a pedir-lhe a conversão dos pecadores, exorta-nos, e como que nos obriga, a entrarmos em contas conosco. 

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Indulto sobre a abstinência de carne nas sextas-feiras

INDULTO SOBRE A ABSTINÊNCIA DE CARNE

Sua natureza:

Santo Tomás de Aquino ensina a razão da abstinência: “Deve dizer que, como foi dito, a Igreja instituiu o jejum para reprimir a concupiscência da carne, que tem por objeto as coisas deleitáveis ao tato (...). Por essa razão a Igreja há proibido (...) aqueles alimentos que são muito agradáveis de comer e que ademais excitam o homem aos prazeres carnais. Tais são as carnes dos animais, que descansam e respiram (...); pois como tais se conformam mais ao corpo humano, deleitam mais e contribuem mais para sua nutrição; e a sua assimilação tem quantidade que sobra para converter-se em matéria seminal, cuja multiplicação é o maior excitante da luxúria.”

O Código de Direito Canônico de 1917, afirma no can. 1.250: “A lei da abstinência proíbe comer carne e caldo de carne, porém não proíbe comer ovos, laticínios e quaisquer condimentos, ainda que de gordura animal.”

Tempo de obrigação da abstinência:

Para o Código de 1917, além dos dias em que a Igreja impõe simultaneamente com o jejum, eram dias de abstinência total da carne “todas as sextas-feiras do ano”. Deve agregar-se – para uma completa e justa avaliação do caso – que na América Latina e nas Ilhas Filipinas, por especial indulto concedido pela Santa Sé em 1º de Janeiro de 1910 (e renovado sistematicamente a cada dez anos), eram dias apenas de abstinência: as vigílias do Natal, Pentecostes, São Pedro, Assunção; de jejum sem abstinência: as três sextas-feiras das Têmporas, seis quartas-feiras da Quaresma, e quinta-feira Santa; abstinência e jejum juntamente: quarta-feira de Cinzas e as seis sextas-feiras da Quaresma. Em outras palavras, na América Latina não era obrigatória a abstinência nas sextas-feiras do ano, salvo os indicados precedentemente.

Fonte: Diário de um Católico 

domingo, 19 de fevereiro de 2017

A verdadeira e única Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo

“ CREDO (...) IN UNAM, SANCTAM, CATHOLICAM ET APOSTOLICAM ECCLESIAM ”. credo niceno-constantinopolitano séc. IV.



A IGREJA DE CRISTO É UNA

A Igreja é o Corpo Místico de Nosso Senhor Jesus Cristo.

“ (...) Cristo é o chefe da Igreja, seu corpo ”. - Efésios 5,23

Os que abraçam a Verdadeira e única fé tornam-se membros deste Corpo, pois: “ Há (...) uma só fé ”.- Efésios 4,5

A Igreja sendo fundada por Cristo (como veremos mais a frente) é uma instituição divina, que congrega homens de todo o mundo que, como disse, aderem a única Fé verdadeira.

“ Ora, vós sois o Corpo de Cristo e cada um, de sua parte, é um dos seus membros ”. - I Coríntios 12,27

“ Eu sou a videira; vós, os ramos. Se alguém não permanecer em mim será lançado fora ”.- S .João 15,5-6

A Igreja é uma Hierarquia, ou seja, os membros da Igreja não tem o mesmo posto:

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Outro "Mito Tribal" dos R&R (FSSPX/Resistência e afins)


"São Pedro (o primeiro papa) negou o próprio Cristo por três vezes
e não perdeu seu "papado", então por que os "papas" conciliares não podem negar a doutrina de Cristo e continuar sendo papas?


É de impressionar até onde vai o comportamento daqueles que auto-permitem uma lavagem cerebral feita pelos mitos da FSSPX, Resistência e afins.

Primeiro que Pedro quando negou a Cristo, ele ainda não era papa, ele só se tornou papa após a Ressurreição. Isso deveria ser sabido por qualquer um, ainda mais se tratando de um clero que se diz muito bem formado. 

Em segundo lugar, ainda que ele já fosse papa, seu pecado foi o de "desmentir", por enorme medo e pressão, aquilo que intimamente ele acreditava: Cristo. Consequentemente, o pecado dele não foi o de apostasia e/ou heresia pública ensinada por documentos, discursos e ações para toda a Igreja universal. Mas deixemos um Santo e Doutor da Igreja elucidar-nos melhor: